Suplemento alimentar na distrofia muscular de Duchenne

De acordo com a análise de dados de artigos científicos internacionais feita por pesquisadores australianos intitulada Nutraceuticals and Their Potential to Treat Duchenne Muscular Dystrophy: Separating the Credible from the Conjecture, publicada em novembro de 2016 na revista Nutrients, alguns nutracêuticos (suplementos alimentares com poder terapêutico) podem atuar como uma terapia complementar valiosa ao tratamento convencional com corticoides (cortisona) na distrofia muscular de Duchenne devido às suas propriedades antioxidantes e/ou anti-inflamatórias.

Efeitos da suplementação alimentar na DMD conforme as pesquisas científicas analisadas

  • Chá verde: Dados de estudo em ratos mdx sugerem que o chá verde poderia auxiliar na prevenção dos estágios iniciais da necrose muscular.
  • Coenzima Q10 (CoQ10): Pode ser uma boa contribuição para ajudar a preservar a força e a função musculares em portadores de DMD que sofrem com os efeitos colaterais adversos dos corticosteroides.
  • Curcumina (substância extraída do açafrão): Em músculos de ratos mdx, o resultado sugeriu alívio da severidade patológica, inibição das alterações morfológicas e melhora da função muscular.
  • Genisteína (isoflavona presente na soja): Reduziu a patologia e melhorou a função dos músculos nos ratos mdx.
  • L-arginina (aminoácido): As medidas da função motora e a distância média de caminhada de 2 minutos melhoraram em quatro dos cinco portadores tratados; no entanto, o portador mais velho e mais gravemente afetado continuou a piorar apesar do tratamento.
  • Melatonina (hormônio): Os níveis de CK (creatinoquinase) no sangue foram reduzidos nos portadores tratados com melatonina, indicando que pode ter havido menos dano muscular, embora não tenha sido feita biópsia para confirmar.
  • N-acetilcisteína (NAC): Reduziu a patologia no modelo de rato mdx.
  • Protandim (composto farmacêutico de erva chinesa): Enquanto algumas ervas chinesas podem conter uma certa atividade de glicocorticoides, esta atividade não é suficiente para reduzir a patologia distrófica ou melhorar a função muscular, portanto essas ervas e compostos não são recomendados.
  • Resveratrol (substância extraída da uva): Teve efeitos benéficos na patologia e função musculares em ratos mdx.
  • Suco de beterraba: O nitrato de sódio, presente em sucos de beterraba enriquecidos, aliviou a isquemia funcional no músculo de portadores de distrofia muscular de Becker (infelizmente não foi pesquisado com Duchenne).
  • Taurina (aminoácido): Mesmo efeito da N-acetilcisteína, ou seja, reduziu a patologia no modelo de rato mdx.
  • Vitamina D: A suplementação com vitamina D aumentou significativamente a probabilidade dos portadores caminharem até os 12 anos de idade.

Vou tomar a liberdade de mencionar informações de mais dois estudos científicos referentes a suplementos alimentares ligados diretamente à distrofia muscular de Duchenne, sendo um sobre L-carnitina (L-carnitine supplementation in duchenne muscular dystrophy steroid-naïve patients: A pilot study), que tomei quando criança desnecessariamente, e outro sobre ômega 3 (Potential therapeutic impact of omega-3 long chain-polyunsaturated fatty acids on inflammation markers in Duchenne muscular dystrophy: A double-blind, controlled randomized trial):

  • L-carnitina (vitamina B11): Não apresentou melhora significativa na função das extremidades superiores e inferiores dos portadores.
  • Ômega 3: Pode ter um impacto terapêutico na inflamação crônica da DMD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *