Debate sobre células-tronco

21/04/2007 – 09h58
Arcebispo de São Paulo e músico “duelam” no debate sobre células-tronco
da Folha de S.Paulo

Na platéia do auditório lotado onde transcorreu a discussão sobre as células-tronco embrionárias, duas celebridades se encararam, cada uma de um lado da polêmica: o novo cardeal arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer, e o músico Herbert Vianna, dos Paralamas do Sucesso. “Temos de defender a vida, mesmo que à custa de possíveis novos tratamentos”, disse dom Odilo. “É inconcebível jogar fora embriões humanos que poderiam ser usados”, opôs Vianna.

O músico, paraplégico desde 2001, evitou a polêmica sobre o ponto inicial da vida humana. Em vez disso, disse que toda pesquisa vale a pena se a vida de uma única criança for beneficiada por embriões inviáveis. “Essa perspectiva coloca em um plano maior a discussão do direito à vida”, disse.

Já o cardeal Odilo Scherer, também secretário-geral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), pediu respeito ao embrião. “Ele não pode ser colocado à disposição da pesquisa”. O líder católico disse ser contra o uso de células embrionárias “ainda que isso gere novos tratamentos.”

AFolha perguntou ao cardeal por que a Igreja defende os embriões que serão usados na pesquisa com células-tronco, mas nada diz em relação às centenas de embriões excedentes (há fontes científicas que calculam em até 9.000), produzidos e descartados nas clínicas de reprodução assistida. Dom Odilo disse: “Esse é um problema. Decisões erradas não justificam outros erros. Nada justifica matar esses embriões”.

O religioso propõe uma regulamentação das técnicas de reprodução assistida e sugere que embriões congelados hoje nas clínicas sejam “adotados” por famílias que queiram filhos sem poder tê-los. “Atualmente, ainda não tenho uma solução exata para isso”, afirmou.

O ministro Ayres Britto encerrou a audiência pública com uma síntese do problema que cabe ao STF resolver. “Temos pontos de vista bem fundamentados. Nem sempre você decide entre o gritantemente certo e o salientemente errado”, diz. “Às vezes, você tem de decidir entre o certo e o certo; em outras, entre o certo aparente e o certo aparente.”

Uma resposta

  1. Estevão Augusto disse:

    Josenias disse…
    Acredito que um assunto desses tem que ser mais debatidos entre a comunidade científica relacionada ao assunto, um religioso não entende o lado científico, e sim o lado doutrinário da igreja, que apenas serve para interferir em qualquer pesquisa mais avançada.
    15 de maio de 2007 18:35

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *